COMO A SÍNDROME DO PÔR DO SOL INFLUENCIA O COMPORTAMENTO DE IDOSOS COM ALZHEIMER

Cerca de 20% de idosos com Alzheimer e outras demências é acometido pela Síndrome do Pôr do Sol, onde se sentem mais desconfortáveis durante o entardecer, causando agitação, confusão mental e agressividade.

A Síndrome do Pôr do Sol geralmente se manifesta em fases intermediárias da demência, declinando a sua incidência à medida que a doença vai progredindo.

A Síndrome também pode ocorrer com maior incidência quando idoso sente dor, apresenta constipação severa, uma alimentação pobre em nutrientes e vitaminas, quadros de infecções ou se encontra em ambientes barulhentos.

Existem algumas formas de atenuar os efeitos dessa síndrome em idosos, como:

  • Manter o idoso ativo durante o dia: isso ajuda-o a dormir melhor à noite;
  • Evitar cochilos na parte da tarde;
  • Incentivar a prática de exercícios físicos;
  • Desenvolver atividades recreativas que estimulem e deixem o idoso sempre em movimento;
  • Ter uma alimentação saudável e balanceada;
  • Evitar consumir cafeína e açúcar à noite;
  • Evitar fazer refeições em horários tardios;
  • Procurar um médico que possa detectar problemas clínicos como dores e infecções;
  • Aproveitar a luz do dia: a exposição a luz do sol pode ajudar a reduzir alguns sintomas da síndrome, principalmente quando aliado à prática de exercícios;
  • Proporcionar ao idoso um ambiente confortável para dormir; além de manter o cômodo parcialmente iluminado para reduzir os riscos de confusão mental caso o idoso perambule à noite;
  • Ajudar ao idoso com Alzheimer a se orientar em relação ao tempo e espaço, lembrando-o onde ele está e que horas são;

Durante os episódios, recomenda-se aos familiares e cuidadores a manterem a calma, chamando a atenção para outro ponto, conversando sobre um tema diferente para distraí-lo.

Fonte: Alzheimer 360